COVID-19: Enfermeira é reinfectada 50 dias depois do primeiro contágio

Saúde gazetacrnews em 08 de agosto, 2020 06h08m
Facebook Twitter Whatsapp

Técnica de enfermagem de 24 anos foi diagnosticada em maio e voltou a ficar doente em junho. Segundo pesquisadores da Faculdade de Medicina, quadro deve ser analisado por autoridades em saúde.

Um estudo da Universidade de São Paulo (USP) conduzido pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (SP) confirmou, apesar de rara, a possibilidade de reinfecção pelo Sars-Cov-2, vírus causador da Covid-19.

Os pesquisadores identificaram a recorrência da doença em uma técnica de enfermagem de 24 anos, que testou positivo para o novo coronavírus duas vezes no intervalo de 50 dias.

Segundo o grupo, "a constatação traz implicações clínicas e epidemiológicas que precisam ser analisadas com cuidado pelas autoridades em saúde".

"Eu estava com bastante dor de garganta, o nariz bem congestionado, bastante coriza, muita dor de cabeça, até mais do que a primeira vez e aí falei: 'mas não pode ser Covid, porque eu já tive Covid'. Continuei trabalhando porque eu já tinha tido, não pensava que poderia ser", diz.

Primeira infecção

O estudo foi divulgado pela assessoria do Hospital das Clínicas (HC) no final da tarde desta quarta-feira (5). A paciente ainda se queixa de sintomas de sinusite e de uma dor de cabeça, que surgiu com a segunda infecção e persiste há cerca de um mês.

Publicidade

Segundo a pesquisa, em 4 de maio, a jovem teve contato com um colega de trabalho infectado. Dois dias depois, começou a sentir mal-estar, febre, congestão nasal, dores de cabeça e de garganta, até que, no quarto dia do surgimento dos sintomas, passou pelo exame RT-PCR, que identifica o Sars-Cov-2 no organismo por meio de materiais coletados no nariz e na garganta.

O resultado do primeiro teste, realizado em 8 de maio, foi negativo, mas, como os sintomas persistiram, a paciente repetiu o exame cinco dias depois, em 13 de maio, quando deu positivo.

Segunda infecção

Os sintomas desapareceram em dez dias e a técnica de enfermagem pôde voltar ao trabalho. No entanto, 38 dias depois, em 27 de junho, manifestou sinais da doença novamente. Além do mal-estar, da febre, das dores de cabeça e garganta, ela sentia dores musculares, cansaço, e havia perdido o paladar e o olfato. Ela também teve diarreia e tosse.

No quinto dia após o ressurgimento dos sintomas, em 2 de julho, a paciente passou por um novo exame de RT-PCR e testou positivo. No mesmo período, dois familiares dela também apresentaram sintomas clínicos, fizeram o exame e foram diagnosticados com o novo coronavírus.

Publicidade
Compartilhe esta notícia:
Facebook Twitter Whatsapp

Comentários